Contra fake news, siga o dinheiro

Coluna semanal de Ronaldo Lemos na Folha de São Paulo.

publicado em

26 de maio de 2020

categorias

{{ its_tabs[single_menu_active] }}

tema

A expressão “follow the money” (siga do dinheiro) foi popularizada pelo filme “Todos os Homens do Presidente” (1976), que conta a derrocada do presidente Richard Nixon e o papel do bom jornalismo para isso.

Seu significado é simples: várias formas de corrupção política podem ser desvendadas examinando as transferências financeiras entre as partes envolvidas. Com as fake news, é a mesma coisa.

Uma forma eficaz de combater campanhas organizadas para espalhar notícias falsas é seguir o dinheiro.

Especialmente porque no mundo de hoje a desinformação tornou-se uma indústria muito bem financiada. Há uma miríade de empresas, designers, programadores, gestores e financiadores envolvidos na disseminação de notícias falsas. Essa estrutura é cara. Compreendê-la ajuda a lidar com o problema.

Evidência de que essa estratégia funciona está no perfil do Twitter chamado Sleeping Giants, surgido nos EUA, e sua versão brasileira, o Sleeping Giants Brasil (@slpng_giants_pt).

Em quatro dias, a versão brasileira conseguiu resultados no combate à desinformação de fazer inveja ao Tribunal Superior Eleitoral, à CPI das Fake News e ao Congresso. A razão para esse sucesso não é de incapacidade dessas instituições, mas sim um ajuste de estratégia. O Sleeping Giants mapeou parte do dinheiro que alimenta a indústria das fake news.

Fez isso identificando marcas que —sem querer— estavam com anúncios sendo exibidos automaticamente em sites de desinformação via plataforma do Google. Tudo que o perfil fez foi alertar essas marcas do que estava acontecendo.

As marcas que se incomodaram imediatamente bloquearam os anúncios. Já as que não se incomodaram em ter anúncios ao lado de manchetes como “Cloroquina, a cura negada à sociedade” mantiveram suas propagandas (como é o caso do Banco do Brasil).

Em outras palavras, essa estratégia combate desinformação com mais informação (e não com menos). Cabe a cada marca decidir o que vai fazer com seu dinheiro.

O Sleeping Giants, no entanto, tem alcance limitado. Atua só com relação a uma pequena parte do dinheiro que financia fake news. Essa indústria envolve muitas vezes a prática sistemática de várias atividades criminosas, tais como falsidade ideológica, falsa identidade, fraude processual e, sobretudo, lavagem de dinheiro (na ocultação de recursos privados ou públicos usados para financiar esses crimes).

Age acobertando a compra de engajamentos artificiais, usa robôs e automação maliciosa para atacar pessoas ou minar o debate público e assim por diante. Quando descambam para a ilicitude, são verdadeiras organizações criminosas. O Sleeping Giants pouco pode fazer sobre isso.

Já instituições como o Judiciário e o Congresso podem fazer muito. De novo, combate-se fake news com mais informação, e não menos. Jogando luz e punindo quem pratica crimes para ocultar maliciosamente a autoria de campanhas massivas de desinformação, prejudicando a autonomia, o livre-arbítrio, o livre convencimento e a tomada de decisões de cada um.

Colocar a lei a serviço de aumentar a informação disponível e para revelar o que está sendo ilicitamente ocultado é um bom caminho para lidar com a questão.

READER

Já era Achar normal transporte público aglomerado e lotado

Já é Reduzir temporariamente a capacidade do transporte público

Já vem Volta dos scooters e bikes compartilhadas como modais de transporte urbano individual

{{ pessoas.pessoaActive.title }}

×

Ficou interessado?

Conheça o curso Fake news e Eleições