Das redes sociais às redes de apoio: saúde mental para jornalistas

professores Ana Luisa Figueiredo, Frederico Mattos, Guilherme Valadares e mais 2.

Curso sem previsão de lançamento

categorias

{{ its_tabs[single_menu_active] }}

tema

A pandemia aumentou a necessidade de atitudes mais enérgicas para uma mudança que garanta o bem-estar emocional de jornalistas, em momentos de coberturas de grandes eventos – como o novo coronavírus ou eleições – e também na produção do conteúdo diário. Com mudanças sociais de grande impacto, dificuldades financeiras e o aumento da desinformação, a necessidade de ações que fortaleçam novas rotinas se tornou ainda mais fundamental.

Levantamento do Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ) e do Centro Tow para Jornalismo Digital observou que 70% dos jornalistas vêem os impactos psicológicos e emocionais como os aspectos mais difíceis de se lidar durante a crise provocada pela Covid-19. Mais de 80% dos entrevistados notaram pelo menos um efeito psicológico negativo, incluindo ansiedade, esgotamento, dificuldade para dormir e sensação de desamparo.

Neste curso, apresentamos mecanismos de apoio emocional, além de uma série de caminhos para iniciar um processo de desconexão e relação mais saudável com as redes sociais e formas de como repórteres podem avaliar os impactos da profissão na sua saúde mental e buscar saídas para uma emancipação emocional. 

professores

{{ pessoas.pessoaActive.title }}

×

aulas

{{ aula.title }}

{{ aula.subtitle }}

com {{ aula.palestrante_1 }} , e {{ aula.palestrante_2 }} e {{ aula.palestrante_3 }}

informações

{{ informacao.title }}

Início das Inscrições: 21 de October

Fim das Inscrições: 17 de November

{{ i + 1 }}ª aula

{{ aula.date }}

inscrições encerradas

cadastre-se na lista de espera